Antes do rolé

Outro dia desses foi dia de rolé! Na verdade quase todo dia é dia de rolé, que é muito bom depois do trabalho. Um relaxante de primeira, retirando qualquer stress que possa existir.

Como sempre saí do trabalho e fui direto para o parque, onde normalmente vou andar de carrinho nos dias de semana. Lá cheguei na hora de sempre, com uma diferença: a vontade de tirar água do joelho estava grande.

Ao chegar resolvi colocar o equipamento de segurança antes de procurar um banheiro. Só esta espera já começou a apertar as coisas. Terminei o mais rápido possível e saí já em cima do skate em direção do banheiro.

Cheguei, entrei e fui rapidinho tirar a água do joelho. Um problema surgiu do nada: a bexiga estava tão cheia que a vontade não era mais só de tirar água do joelho. A pressão da bexiga comprimiu o intestino, e isso empurrou o barro pra baixo. E empurrou de tal maneira que o urubu na mesma hora começou a bicar a cueca.

Logo aqui?????

Percebi logo que não teria tempo de ir pro carro, dirigir até em casa, subir as escadas, abrir as portas e chegar no banheiro. Vai ter que ser aqui.

Entrei no reservado e já fui baixando a bermuda.

Ter colocado a joelheira se mostrou ter sido uma bela decisão: elas seguraram a bermuda que assim não caíram até o chão, que não tenho idéia da condição de limpeza.

Dei um jeito de ficar sentado no ar pra não encostar a bunda naquela incógnita que era o vaso, e aí reparei que existia um belo rolo de papel higiênico de boa qualidade me esperando. Ufa! Alívio!!!

A quantidade e o odor me impressionaram. Fazia muito tempo que não obrava tanto, e a catinga me deixou com vontade de sair correndo dali. Ufa! Sobrevivi!

Na hora de sair, abri a porta do reservado e vi, em pé à porta do banheiro, um rapaz, que passava a mão no nariz como quem quer espantar o mau cheiro. Não me contive e soltei uma gargalhada e disse:

- Toma cuidado, amigo, que eu tornei o banheiro inutilizável!

Ele também riu e respondeu à altura:

- Se estivesse cheiroso é que eu estranharia!!!

Com isso eu saí rindo muito, enquanto o rapaz entrava pra satisfazer suas necessidades. E lá fui eu, feliz da vida dar o meu rolé, bem mais leve do que na hora que cheguei.